segunda-feira, setembro 17, 2007

Descrição de um Objeto Inanimado

Teve um dia que ganhei uma estrela. Era de papelão a estrela que eu ganhei. Recortada `as pressas. Era uma estrela, de papelão amarelo. A minha estrela… Teve um dia que ganhei uma estrela de 5 pontas. De papelão e de cinco pontas, amarelada e brilhante. A minha estrela recortada `as pressas num papelão tinha 5 pontas. A estrela que um dia eu ganhei era pequena e cabia na palma da mão. Brilhava o brilho do papelão e brilhava também o brilho do sorriso que ganhei junto com a minha estrela. O sorriso da estrela veio amarelado porque estava sem graça de ter recortado uma estrela tão pequenina num papelão tão `as pressas. Mas eu guardo com carinho esse sorriso da pequena estrela de cinco pontas recortada no papelão amarelado e brilhante. O sorriso lindo e amarelado de vergonha que acompanhava a estrela, eu guardo também na palma da mão. Porque o sorriso e a estrela não se separam, cabem os dois na palma da mão. E toda vez que penso na minha pequena estrela lembro do dia em que ganhei aquela estrela brilhante e sorrio um sorriso brilhante de papelão.


Foto: Vick B. Spencer, Ilha de Boipeba; texto: Escrevi para uma aula de produção textual. Minha professora e amiga disse que eu cometo um milhão trezentos e cinquenta e nove erros de pontuação por linha de texto escrito. Ela tem toda razão, e é por isso que e vai dar risada quando ler isto aqui.

5 comentários:

julia disse...

Ai, que mentira!!! Não falamos nada acima de casas decimais...
Tá lindo, beijo.

bluebell disse...

Mas me faça o favor então de me dizer
quem é que te deu essa bendita estrela, que eu tô curiosa...
Adorei...

carol disse...

Quem me deu a estrela bendita?
Ora! Isso eu Não digo,
Mas ela veio acompanhada
de um belo sussurro
no pé do ouvido...

cynara disse...

pois eu achei lindo. ponto, vírgula, exclamação, lindo!

carol disse...

obrigada, querida...vindo de você, vale em dobro! beijo